O Uber do aluguel

Reportagem de Roger Marzochi na revista IstoÉ Dinheiro de 961 (06/04/2016).

“Trem bão”: os mineiros Gabriel Braga (na cadeira) e André Penha tiveram a ideia da empresa em MBA nos EUA ( foto: André Lessa)

Como a startup QuintoAndar está revolucionando o setor imobiliário apostando na economia compartilhada e na oferta gratuita do seguro fiança

Aos 28 anos, o gerente de projetos da emissora de tevê a cabo Sky, Petar Langbajn Neto, decidiu sair da casa dos pais. Após três meses de pesquisa em sites de classificados, ele desistiu por causa do valor e da complicação para assinar um contrato de aluguel. Mas em fevereiro desse ano, ele voltou à busca e conseguiu rapidamente achar um local para morar. “Em três dias, aluguei um apartamento com valor 20% menor que a média dos que pesquisei”, diz Langbajn Neto. “Não tive custo, não fui obrigado a ir ao cartório.”

Langbajn Neto é um dos milhares de consumidores que estão alugando apartamentos por meio da startup brasileira QuintoAndar, uma imobiliária completamente online, que está sendo chamada de o Uber dos aluguéis. Assim como a polêmica startup dos carros pretos, o QuintoAndar está inovando em um setor tradicional. Primeiro, porque arca com o custo do seguro fiança. E, segundo, porque usa os conceitos da chamada economia do compartilhamento.

Corretores, por exemplo, podem se cadastrar diretamente no site, que depois escolhe aqueles podem atuar na startup, assim como o Uber seleciona os motoristas. Atualmente, são 50 deles, que recebem uma ajuda de custo mais um porcentual por negócio fechado, e existe ainda uma fila de 1,4 mil interessados. Tudo pode ser feito digitalmente, até a visita é agendada online. Depois de fechado o negócio, o contrato pode ser assinado com certificados digitais, que garantem a transação e torna o processo mais rápido.

Para ler a reportagem completa, clique no link abaixo: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/mercado-digital/20160401/uber-aluguel/358455


Quer receber as novidades do QuintoAndar?
Assine o boletim que criamos para nossos colegas jornalistas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.